Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Dezembro, 2017

Gratidão

Se houvesse uma palavra para descrever este ano era, sem dúvida, gratidão. Enquanto ano após ano, forem estando os mesmos presentes e com saúde, isso já me chega. Mas na verdade este ano foi mais que isso.
Ao contrário do habitual, este foi um ano de emoções. Porque fui corajosa, porque arrisquei, porque não me acomodei. Foi tão e somente mérito meu. Não gosto de ser gabarolas, mas estou orgulhosa de mim face a este ano que hoje finda.
Dei um salto profissional que me fez mais feliz e isso muda tudo. Porque o trabalho é quase a nossa 1a casa, se não formos felizes lá fica difícil.
Perdi um gatinho, o Gato da Avó, mas a vida encarregou-se de por outro no meu caminho. Fui mãe desse animal que, literalmente, me escolheu. E fiz e faço tudo por um gatito que não tem muito mais que um palmo de gente ehehe este fim de ano, por isso mesmo, foi difícil com o nosso baby cat doentinho, mas estamos a viver um dia de cada vez com fé e muito amor :)Desejo de coração o melhor do mundo a todos vocês…

Ela, a minha ex-melhor amiga

Vi no instagram a mesa para receber os amigos em casa dela. Mais um jantar de Natal, segundo consta. Percebi que, ou ela mudou muito, ou sempre fomos muito diferentes. Ela agora é chique, de famílias requintadas. Não sei se é feliz na sua vida. Espero que sim. Afastámo-nos quando já tínhamos partilhado tanto e tão bom. Não sei se ela sabe os motivos, eu não sei. Mudamos o rumo, talvez só isso. Deixamos de aceitar as nossas essências, talvez maioritariamente isto. Tenho pena. De coração. Eu nunca lhe pus a mesa daquele jeito para a receber em casa. Mostrei-lhe a minha casa quando ainda estava nojenta, tal como a inquilina anterior a tinha deixado. Comprou comigo o piaçaba, o balde do lixo para as casas de banho e o saleiro. Vive à meio ano na casa dela, nunca fui convidada para lá ir. Um dia eu disse que, quando fosse mãe ela seria a madrinha do meu bebé. Foi com ela que aprendi que nunca poderei dizer algo tão sério, aliás nem sequer quero amigos para padrinhos de filhos. Dói-me a for…

O Natal

Já passou mais um. Muita azáfama, muito trabalho, muita canseira. Não me encheu as medidas este Natal. As comidas não me consolaram (mesmo). Fiquei mesmo desconsolada. Não é o primeiro Natal que passo com a família do meu namorado, mas as tradições são diferentes e, confesso, faltou-me qualquer coisa. Na minha família faltou a meia noite na casa da minha mana e faltou o arroz doce da minha mãe. Tem, obrigatoriamente, que fazer para o ano novo. Festa não é festa sem o arroz doce da minha mãe. E faltaram-me os que já não estão e os que, estando, estão longe.
As prendas foram imensas e, como habitual porque não sou nada exigente, gostei mt de todas. Pijamas, meias, chocolates, dinheirinho, roupa, capsulas de cafe (a mana já me tinha dado a máquina de adianto ahaha), o pai-natal até foi generoso. Mas o que preciso mesmo é uma folga sem festas, de pijama e meias polares, o dia todo enfiada em casa. Isso é que era.
E por aí? Esse Natal?

Pequeno amor :)

Tenho andado ausente e caladinha porque, ultimamente o meu coração é uma ervilha. Há dois meses acolhi um gatinho da rua que apareceu aqui em casa... desde essa altura a vida deste bichinho não tem sido fácil. Esta semana teve uma recaída mais "grave" e esteve internado desde sábado até ontem. E eu chorei tanto mas tanto, senti uma tristeza e dor tão profunda... agora estamos os dois aqui no mel do nosso sofá. Sem respostas, sem grandes entusiasmos, a viver um dia de cada vez. Este meu reguila e melado vai sendo acompanhado pela dra e por muito amor cá em casa. Como é possível apaixonarmo-nos assim por um animal??? (Como se eu não me tivesse já apaixonado tanto por outros animais ehehe). Hoje  minha colega de trabalho disse que já nem parecia a mesma, e na verdade sei que não :) Agora é viver um dia de cada vez e esperar que a vida seja mais docinha para este amorzinho <3

O Natal

Encaro-o de forma diferente desde que, há 3 anos, perdi a minha Avó. Será sempre mais triste, mas vejo-o com mais beleza. O Natal era A ÉPOCA da minha Avó. Gosto de honra-la assim. Embelezando e vivendo ao máximo o Natal. Hoje ouvi a primeira música de Natal na rádio e isso sim, é para mim o mais duro. Não me perguntem porque, não sei. Mas é, realmente, o que mais me custa. Mas, ao contrário do que muitas vezes senti e pensei, o Natal é tão belo. Obrigada minha Avó, sentirei sempre a tua falta, mas guardarei de ti sempre o melhor.

Guarda, cidade Natal

Doce Dezembro